Food Trucks em Campinas: Veja qual o perfil de um truckeiro

No Brasil e Food Trucks em Campinas começaram a ganhar fama há pouco tempo, mas nos Estados Unidos e no Canadá eles já são realidade há alguns anos. A tendência que chegou chegando e para ficar, tem chamado a atenção de muitos empreendedores que desejam começar um negócio no setor de alimentação.

O Perfil de um Truckeiro

Para saber se você tem o perfil de um truckeiro e conhecer um pouco mais de quem comanda o negócio no mercado americano e canadense, separamos alguns dados do site Small Food Business, frutos de uma pesquisa feita por lá com 154 empreendedores:
– Mais de 40% dos donos de um Food Truck têm mais de 40 anos;
– Aproximadamente 73% afirmam que possuem 2 ou menos funcionários, o que significa que eles têm que colocar a mão na massa: cozinhar, servir os clientes ou postar aquela novidade nas redes sociais;
– Quando se trata da carreira que os truckeiros tinham antes de abrir o próprio negócio, 43,8% afirmam que trabalhavam em uma área completamente diferente; 21,9% nunca haviam trabalhado antes ou estavam desempregados e apenas 34,4% já tinham trabalhado no segmento de alimentação;
– O valor médio dos produtos vendidos é de 5 a 7 dólares. Ou seja: um bom truckeiro ganha na quantidade de vendas e para isso, tem que saber cativar os clientes, fazendo com que eles queiram voltar e comentem do negócio com os amigos;
– Para 88,6% dos truckeiros, as condições climáticas têm um forte impacto no negócio e tornam as vendas sazonais. O truckeiro deve ser resiliente para encarar os momentos negativos em que as vendas caem e também saber trabalhar com muito planejamento para lidar com essas possíveis quedas;
– Eles gastam aproximadamente U$ 2500 para fazer a divulgação do negócio. Para isso, as mídias sociais e um bom site são as ferramentas mais escolhidas. Buscar por informações sobre marketing e gostar do assunto pode ser um grande diferencial.
– Por fim, um número que chama muita atenção e mostra como os Foods Trucks podem gerar satisfação: 97% dos entrevistados disseram que não são capazes de se imaginar fazendo outra coisa.
E isso nos leva a nossa própria conclusão: truckeiro bom é truckeiro feliz! Gostou das informações que reunimos para você? Se quiser ver o infográfico completo com as informações sobre o perfil dos truckeiros nos EUA e no Canadá, clique aqui!
E caso tenha mais interesse em saber tudo sobre Food Trucks em Campinas e no interior de São Paulo, clique aqui.
Texto via institutofoodtruck.com.br

O que fazer em Porto de Galinhas?

Todo mundo já ouviu alguém falar pelo menos uma vez na vida de Porto de Galinhas, um dos destinos mais procurados no Brasil. Porto de galinhas é um distrito de Recife em Pernambuco rodeado de lindas praias com águas cristalinas e quentes.

Destino perfeito para quem quer relaxar e curtir as férias!

Muitas pessoas procura sobre o que fazer em porto de galinhas? Existem várias opções de passeios por lá, desde passeio de buggy em porto de galinhas, até passeios de barcos, jangadas e muito mais.

Vale muito a pena conhecer Porto de Galinhas!

coqueiros-maracaipe

Para mais informações acesse: www.oquefazeremportodegalinhas.com.br

“Food Truck Wine & Beer Day” movimenta o espaço Vila Antiga, em Campinas

O espaço Vila Antiga, em Campinas, vai sediar a 1ª edição do “Vila Antiga Food Truck Wine & Beer Day”, no próximo sábado, dia 18 de fevereiro, das 11h às 22h, com entrada e estacionamento gratuitos. O local receberá diversas opções gastronômicas, que vão dos tradicionais hambúrgueres até cafés especiais, passando por sobremesas, cervejas artesanais e vinhos.

Além de comidinhas e bebidas, o público poderá aproveitar o ambiente do evento que ainda terá música ao vivo com a dupla Trovão & Sereno, que apresenta repertório de moda de viola durante a tarde, e à noite, o blues toma conta do cenário com a banda California Blues. Também haverá atrações para as crianças, como malabaristas, palhaço e oficinas de pipas, e sessões no planetário do espaço cultural.

Durante o evento ainda haverá workshop de harmonização de vinhos e pizzas. Esta atividade custará R$ 40 e a primeira aula estará disponível a partir das 13h. Os visitantes ainda poderão conferir ao vivo o processo de fabricação de cerveja artesanal.

Cardápio e outras atrações

Estarão presentes no evento os food trucks Tutti Cone Yes Pizza! (Pizza Cone), Porquetta Grill & Co. (lanche de Porquetta e burger), Caixote das Confissões (lanches), Nosotros (culinária espanhola), Evandro Higa (culinária japonesa) e La Mia Pasta (massas artesanais). Os de bebida serão: Criollo (cafés especiais), Wine bar on the Road (vinhos e espumantes), landel (Chope artesanal) e Freak Shake (milk shake). E ainda as sobremesas: Mais Brigadeiros (brigadeiros), Lili Cake (doces) e Cannoleria Brasil (canolli Chef Antonello).

O restaurante do espaço Vila Antiga, com cardápio de comida da fazenda e culinária goiana, também estará funcionando.

No local também há um planetário que estará aberto para sessões durante o evento, com a entrada no valor de R$ 10 e R$ 5 (meia entrada para crianças e idosos). No espaço ainda há várias atrações culturais, como o acervo do Museu da Civilização com obras de arte da China, Egito e de diversas outras partes do mundo, além de uma biblioteca e o Museu do Automóvel, com exposição permanente do famoso Ford T.

O evento tem apoio da ACCR (Associação Comerciantes de Comida de Rua Campinas e Região) e do CRCVB (Campinas e Região Convention e Visitors Bureau).

Mais sobre a Vila Antiga

A Vila Antiga é um espaço criado pela Fundação Douglas Andreani que valoriza e prioriza a educação, a preservação e o resgate da cultura antiga do ‘tempo dos pais e avós’. Quem for ao local, além de degustar a saborosa comida da fazenda no restaurante, que está funcionando somente aos sábados e domingos, pode visitar a exposição permanente de carros antigos, o museu sobre a história da humanidade, a biblioteca de enciclopédias e uma área reservada para os animais. Também há um planetário no local e o funcionamento deve ser consultado no local.

via campinas.com.br

O pessoal do site food truck campinas estará presente fazendo uma cobertura, para mais informações acesso: www.foodtruckcampinas.com

 

Festival de cerveja artesanal e food trucks agita a Estação Cultura no fim de semana

Música, cervejas especiais e gastronomia estão na programação do “Bier Brasil – Festival de Cerveja Artesanal e Food sobre Rodas” na Estação Cultura, em Campinas, neste fim de semana, entre os dias 20 e 22 de janeiro. A entrada será mediante a doação de 1 kg de alimento não perecível, que será revertido para Banco Municipal de Alimentos. O estacionamento é gratuito.

Serão três dias de evento, com a presença de mais de 25 cervejarias e 15 food trucks em Campinas instalados em caminhões, carros, kombis e bikes.

Festival de Cerveja Artesanal Campinas

O público poderá saborear as cervejas e os chopes artesanais das cervejarias São Sapucaí, Cervejaria Campinas, Hohenthanner, Hausen, Ashby, Rofer, Dortmund, Landel, Baden Baden, Hebling, Nineties Bier, Rock na Teia, Burgman, Crazy Rocker, Chopp do Alemão, Dahora Vida, Blondine, Leuven, Maestria, Queens, Bragantina e Oak Bier. E provar o variado cardápio oferecido pelos food trucks Dr Food, Blitz, Hamburguinho, Mr J, Big Boss, Trikone, Nosotros, Sagrada Chapa, Gringa, Mr Rock, Só Coxinhas, Sabor Caipira, Delicias da Jo, FruitTruck, Alameda Caramelo, Criollo e Café Especiais.

O festival contará ainda com uma programação musical dividida entre três palcos. Bandas e DJs trazem repertório de rock, blues, country music, entre outros estilos.

Na sexta (20) sobe ao palco a banda These Days – Bon Jovi Cover. No sábado (21) é vez da Absolute Pink Floyd Cover. No domingo (22) se apresentam Solidão à Dois e Nova Legião, que irão relembrar dois grandes artistas brasileiros: Cazuza e Renato Russo (Legião Urbana). A discotecagem será do DJ Skillo.

Ainda na programação do evento, o espaço kids da Auê Brinquedos, o simulador de montanha russa e um fliperama retrô. A Muru Pimentas vai expor artesanatos e souvenirs.

O “Bier Brasil” tem a expectativa de um público de mais de 30 mil pessoas durante os três dias de evento.

Realizado pela WB Produções, Addict e Oceania, o festival tem apoio da Secretaria Municipal de Cultura.

via campinas.com.br

O pessoal do site Food Truck Campinas  estará presente no evento fazendo uma cobertura bacana, aproveite seu final de semana!!

De onde veio a pizza?

 

A origem da palavra pizza é incerta.

É comum acreditar que a pizza foi uma invenção dos italianos. No entanto, a história da pizza remonta aos tempos antigos no Oriente Médio. Os gregos, egípcios, armênios, israelenses e babilônios estavam fazendo algum derivado de pizza nos tempos antigos. Cozinhavam pão plano em fornos de barro. Trabalhadores e suas famílias comeram, pois foi um econômico e conveniente comida. Os gregos, romanos e egípcios especificamente, estavam enfeitando o pão com azeite e especiarias, agora conhecido como focaccia.

Em 1522, os tomates foram trazidos de volta para a Europa a partir do Peru no Novo Mundo. Originalmente pensado para ser venenoso, os tomates eventualmente encontraram seu caminho para as dietas das pessoas mais pobres de Nápoles, como eles colocaram os tomates em sua massa de levedura, criando assim a primeira pizza simples que conhecemos hoje. Essas primeiras pizzas eram bastante populares porque esses operários usualmente tinham apenas farinha, azeite, banha, queijo e ervas para alimentar suas famílias. Toda a Itália proclamou as tortas napolitanas para ser o melhor.

Fundada em torno de 600 aC. Como um povoado grego, Nápoles, Itália era uma cidade flutuante à beira-mar, e como podemos ver, a casa da pizza que conhecemos e amamos hoje. Embora conhecida como uma cidade bem-off, o reino foi densamente embalado com multidões de trabalhadores pobres, que normalmente tinham apenas pequenas casas para chamar de sua própria. Os trabalhadores precisavam de alimentos baratos que poderiam ser consumidos rapidamente, uma vez que estavam constantemente ocupados.

Assim, pizza, pães com vários coberturas, comido para qualquer refeição e vendido por vendedores ambulantes ou restaurantes informais, atenderam a essa necessidade. A lenda diz que a pizza se desenvolveu em Nápoles quando os padeiros precisavam usar seu excesso de massa para o dia, ou quando precisavam de algo no forno para mantê-lo aquecido. Ao jogar essa massa extra no forno, e vendê-lo para as pessoas mais pobres, eles desenvolveram um alimento que anos mais tarde é, ironicamente, extremamente popular com uma grande variedade de clientes. Evidentemente, as pessoas em Nápoles estavam comendo algumas das primeiras pizzas, e muitas vezes eles garnished-los com tomate, queijo, óleo, anchovas e alho, como muitos fazem hoje.

Pizzas no interior em Rio Claro, São Paulo.

Durante esse tempo, acredita-se que Raffaele Esposito fez a primeira pizza com tomate, queijo e outros coberturas e temperos. A primeira pizzaria conhecida abriu em Port Alba, em Nápoles, e ainda hoje está presente. Esposito foi chamado para fazer alguma pizza para a visita do rei Umberto e da rainha Margherita de Italy no 1800s atrasado. Neste teste de sabor, a rainha Margherita gostou tanto da pizza com mussarela, manjericão e tomate, que Esposito chamou de “Pizza Margherita”. Curiosamente, se a rainha não se aventurar a experimentar este “pão de camponês”, então pizza pode ter Nunca se espalhou para se tornar o fenômeno que é hoje. Evidentemente, a pizza se tornou um grande sucesso e se espalhou para a América, Inglaterra, França e Espanha durante a Segunda Guerra Mundial, quando os soldados americanos e europeus provaram este novo prato enquanto ocupam território italiano.

Se você procura por uma boa pizzaria em Rio Claro-SP, você não pode deixar de conhecer o site pizzariarioclaro.

Gennuardo Lombardi abriu a primeira pizzaria americana na Spring Street, em Nova York, em 1905. Até a década de 1950, a pizza ainda era vista como um alimento estrangeiro. Parece que, desde então, a pizza tornou-se um alimento básico em Nova York. Pizzerias começou a abrir em Nova York e emprestado ingredientes não italianos e restaurantes não italianos começou a servir a pizza até que se formou uma liga própria. Logo havia uns carrinhos nas ruas em Little Italy que serviram pizzas inglesas do muffin que categorizaram-se como “a pizza tradicional com o Muffin inglês de Thomas como sua base.”

Nos anos sessenta, pizza realmente bateu grande. Em particular, a invenção da pizza congelada espalhou o evangelho cheesy distante e largo, mesmo aos lugares sem pizzerias. Nos anos setenta, a Famosa Ray’s Pizza, na Décima Primeira e Sexta Avenida, parecia uma proxy para a vitalidade da própria cidade. O raio famoso tem sido desde então rebatizado o Roio famoso, depois que foi processado, famoso, por uma coalizão de outros raios.

A origem da pizza

O fim dos anos sessenta marcou uma mudança na pizza e dividiu-se em duas eras – pré-entrega e pós-entrega. Na era pós-entrega, todas as grandes histórias envolvem pizza de entrega, que expandiu o alcance da pizza em todos os tipos de formas surpreendentes. No final dos anos sessenta, por exemplo, a 113ª Unidade de Inteligência Militar do Exército dos EUA usou falsas entregas de pizza para espionar jornalistas e políticos. E em 1991, a Pizza Hut entregou pizza gratuita ao grupo que estava escondido na Casa Branca russa, resistindo ao golpe contra Gorbachev.

Pizza veio por um longo caminho e ainda é um amor comum para os nova-iorquinos e pessoas em todo o mundo, tanto. Desde que se tornou popular em Nova York, todos os estilos diferentes de pizza foram criados e vendidos. Existem pizzarias que servem para pizza de Milão, Nápoles, Pompéia e Palermo, mas também pizza tem tomado seu próprio estilo de Nova York.

Muitas outras culturas adotaram a pizza a seu próprio gosto e isso faz elas serem diferente em cada país.

Se você gostou, acesso o site www.pizzariarioclaro.com.br para mais informações sobre o mundo das pizzas.

A história dos Food Trucks

Com a crescente popularidade dos Food Trucks nos Estados Unidos e no Brasil, algumas pessoas tendem a acreditar que o conceito de comida móvel é uma invenção recente. Mas “comida de rua” tem sido uma parte da experiência de jantar americana desde o século 17 e evoluiu de chuck wagons e empurrar carrinhos para caminhões e até mesmo busrestaurants.

Food_Truck_A_Batalha

Embora os clientes hoje tenham uma impressão chique e moderna da indústria de caminhões de alimentos, os fornecedores de alimentos móveis e os empresários começaram com começos humildes e desafiadores.

Food Trucks

Um dos precursores de caminhões de alimentos são pushcarts. Desde a década de 1600, carrinhos de mão e vendedores de rua em Nova York já tinham uma difícil relação com as autoridades locais. Em 1691, uma portaria da cidade foi emitida que indica que os vendedores de rua podem somente começar vender seus bens duas horas depois que os mercados públicos tinham sido abertos. E em 1707, vendedores ambulantes de alimentos foram completamente proibidos em Nova York, em um esforço para evitar o congestionamento e também devido a queixas de lojas de varejo e restaurantes. Mas apesar de regulamentos estritos, o alimento da rua e outros vendedores do pushcart continuaram a prosperar na cidade naquele tempo enquanto os proprietários e a polícia eram agradáveis ​​aos subornos. Algumas das mercadorias populares eram pretzels, pães, tortas de carne, frutas e sanduíches para vestuário, construção e entrega trabalhadores à procura de enchimento ainda refeições affordable.quote1Another precursor de caminhões de alimentos modernos foram chuckwagons.

Um tipo de “cozinha de campo”, chuckwagons eram populares nas pradarias dos Estados Unidos fornecendo comida cozida para cowboys e mineiros. Sua invenção em 1866 é atribuída a Charles Goodnight, um rancheiro do gado de Texas que modificou um vagão do exército e cabido seu interior com as gavetas do armazenamento abastecidas com utensílios de cozinha e fontes de alimento.

Em 1872, um vendedor de alimentos com o nome Walter Scott concebeu o vagão do almoço. Modificando um vagão coberto adicionando janelas, Scott vendeu sanduíches, tortas e café aos jornalistas e jornalistas na frente de um escritório de jornal em Providence Rhode Island. A ascensão à demanda de vagões almoço levou Thomas H. Buckley para começar a fabricar vários modelos que caracterizam pias, geladeiras e fogões de cozinha.

A nova onda dos Food Trucks

A invenção de automóveis também teve um impacto para a evolução da indústria de alimentos móveis. As cantinas móveis, que neste ponto quase se assemelhavam a caminhões de alimentos modernos, eram permitidas pelo Exército dos EUA para operar em bases de exército estadunidenses ao redor do 1900. As vans de sorvete são um dos primeiros vendedores de alimentos móveis que usam caminhões modificados e ganharam popularidade em 1950 . Por volta de 1960, caminhões de alimentos maiores começaram a vender produtos familiares como tacos e hambúrgueres para locais de colarinho azul, como locais de construção e fábricas. Mas esses caminhões ganharam uma má reputação devido a práticas de saúde precárias e locais de venda suja, dando-lhes o apelido de “treinadores de baratas”.

Mas depois da recente recessão forçou muitos chefs de restaurantes a perderem seus empregos, a cena do caminhão de alimentos foi mais uma vez transformada como estabelecida e aspirantes a chefs trouxeram pratos gourmet para as ruas. Embora limitado devido a certas restrições, incluindo preços e operações, caminhões de alimentos oferecidos produtos de clientes que normalmente iria experimentar em restaurantes. Por volta de 2000, a reputação negativa dos alimentos móveis desapareceu à medida que as empresas criativas começaram a atrair a atenção. Cozinhas étnicas e de fusão tornaram-se mercadorias populares de caminhões de alimentos e com a tecnologia on-line, os empresários ligados a mais clientes do que nunca.

Provavelmente uma das empresas de caminhões de alimentos mais bem-sucedida e inspiradora é Kogi churrasco coreano. Combinando comida mexicana e coreana, a Kogi cresceu de uma única operação de caminhões para alimentos em 2008 para uma frota de cinco caminhões hoje. Inicialmente, a Kogi não tinha locais fixos, mas, além de seus caminhões, suas operações agora incluem balcões de pedidos no Salão Alibi e no restaurante Chego (especializado em tigelas de arroz). Em parceria com David Reiss, co-fundador do Kogi chef Roy Choi abriu o restaurante A-Frame que transmite a idéia havaiana de “aloha”.

Em Campinas, cidade localizada no interior de São Paulo, temos também um site especializado em no assunto de food trucks por lá, é o food truck campinas.

O sucesso do churrasco coreano Kogi e seus fundadores pode ser atribuído ao seu alimento greatbranding2 mais a utilização de promoções offline e on-line.

A popularidade de Kogi começou quando ela começou a ir a bares e dar amostras grátis para seguranças, que gostaram dos produtos e espalhar a notícia sobre o caminhão de alimentos. Kogi também aproveitou o espaço digital, se aproximando blogueiros para tentar sua comida para que eles possam escrever sobre isso, o que por sua vez aumentou a presença on-line do negócio. Twitter também tem sido uma força motriz para o negócio como ele usou a plataforma de mídia social para anunciar locais de venda aos clientes. Isto conduziu para que o BBQ coreano de Kogi seja proclamado por Newsweek como “o primeiro restaurante viral de América”.

Um outro site bastante conhecido no mundo dos food trucks é o Food Truck Curitiba.

A indústria de alimentos móveis mudou dramaticamente ao longo de sua rica história. No entanto, alguns dos problemas que os proprietários de caminhões de alimentos uma vez experiência permanecem como oposição de restaurantes, regulamentos locais dinâmicos e logística

Se você quer saber mais sobre o assunto, acesso o site www.foodtruckcampinas.com.